Prevenção é Saúde e Estilo de Vida / by Joaquim Ferrari

O exercício físico realizado em grupo se torna um aliado contra o estresse. Além do exercício em si ser um agente contra a rotina, pelo fato dele ser feito em conjunto com outras pessoas, pode ser uma fonte mediadora de amizades, onde as pessoas compartilham seus interesses. A produção de endorfinas e encefalinas durante o exercício físico aeróbico, liberadas após 45 minutos ou mais durante a realização do exercício, incrementa ainda mais o processo de alívio do estresse.

De Godoy (2007), explica que uma das hipóteses para estes efeitos positivos do exercício físico em relação ao combate ao estresse é baseada nos mecanismos fisiológicos e bioquímicos:

a) Hipótese do aumento da aptidão cardiovascular. O efeito antidepressivo do exercício poderia ser mediado pelo nível de preparo cardiovascular (aeróbio).

b) Hipótese das Aminas. Três neurotransmissores explicariam o efeito antidepressivo do exercício, são eles: serotonina, dopamina e norepinefrina. Algumas evidências indicam que indivíduos deprimidos apresentam um decréscimo na produção dessas aminas metabólicas. O exercício teria o poder de estimular o aumento da produção desses neurotransmissores.

c) Hipótese das Endorfinas. As endorfinas são substâncias produzidas no organismo e possuem qualidades capazes de reduzir a dor e produzir um estado de euforia.

A ciência nos orienta e nossos hábitos confirmam nosso exercício com este norteador. Ser Azul é guiar-se pelo conhecimento, com condicionamento, por meio do planejamento e vontade.

Fonte de Referência:

DE GODOY, Rosane Frizzo. Benefícios do exercício físico sobre a área emocional. Movimento (ESEF/UFRGS), Porto Alegre, v. 8, n. 2, p. 7-15, dez. 2007. ISSN 1982-8918. Disponível em: <http://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/2639>. Acesso em: 11 Nov. 2014.